segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

A primeira na Terceira

Relaxamento absoluto, é o que se pode esperar de uma visita à Ilha Terceira. Os quilómetros de campos verdes não nos cabem na vista, as vacas que dão vontade de abraçar e o silêncio, imposto pela ausência de gentes, que acima dos 250 metros de altitude deixa de se instalar. Ficam-se pelas povoações que, nos recebem de olhar observador mas com sorriso fácil. Demasiado fácil, porque as pessoas são o centro comercial e o jogo de futebol dos terceirenses. O convívio é obrigatório, sempre acompanhado de um licor e um queijinho. Oferta da casa. Casas essas de um aspecto sempre impecável, que o aprumo da pintura oferece. Para receber a graça do Espírito Santo. Porque aqui, nestes 30km de extensão de terra, largado no meio do oceano Atlântico, é mais fácil acreditar-se que Deus e o seu Espírito Santo existem, e a Ilha não se esquece de lhes agradecer! Com festas, romarias e muito respeito pela Natureza – a selvagem e a humanizada.

Uma experiência que se quer repetir, num período entre os seis meses e meio de festa diária que a Terceira tem. Onde a corda não chegue, mas onde o sentimento de pânico e a emoção possam brotar, fruto de uma marrada que um touro bravo aplique aos mais corajosos.


Onde ficar:

Hotel Praia Marina (Na Praia da Vitória) – com apartamentos cómodos

Hotel Terra do Mar (Na localidade de Serratinha) – para os que procuram um resort de luxo

Onde comer:

Restaurantes Sabores do Chef (Na Praia da Vitória) – entradas fantásticas, peixe fenomenal e sobremesas inesquecíveis

Onde passar:

Clube de Golfe da Ilha Terceira – o ensino da técnica do golfe com especialistas, onde rir é mesmo o melhor remédio (pelo menos para quem não tem jeito!)

1 comentário: