segunda-feira, 30 de abril de 2012

Imperceptível

Quando quatro pessoas que não conheces de parte alguma te afirmam veementemente que és especial, vais negando, mas depois sentes-te  realmente especial. Foi um pó de magia, um fabuloso dano colateral. Foi improviso, cinco almas livres, livres. E juro, ponho até os pés juntos, que há muito que não surgia um momento tão bom. É assim que nascem coisas especiais. Ligações. Fora de série.

(E no fim, já nem acredito mesmo que sou antissocial. Sou uma apenas uma misantropa selectiva. Os bons, guardo-os sempre no coração.)

domingo, 29 de abril de 2012

Comemorações

Uma noite absolutamente surreal que serviu de comemoração ao nascimento da minha afilhada. A princesinha nasceu ontem e depois de a conhecer, fiquei com um sorriso na cara o dia todo. Que seja muito, muito feliz, tão feliz como me fez hoje!

terça-feira, 24 de abril de 2012

Desculpem qualquer coisinha. Isto é tudo ressabiamento.

Recebi um cabaz de Natal de uma prestigiadíssima Instituição Pública com a qual colaboro. Ontem, 23 de Abril. O tinto é de reserva. Mas está a cheirar-me que o queijo e o bacalhau também já são. Mas que se lixe, o Natal é sempre que uma instituição quiser, e o que são 4 meses fechado num armazém? Piece of cake: olhem bem para o Zé Maria. Perfeito.
É assim a função pública. Dava o meu subsídio de Natal para poder ser do clube. Entrar às 9h (Oh, 9 e tal, vá lá. E vamos beber um cafézinho antes de entrar?) e sair às 17h (17h30h...ai que desgraça que hoje já saio daqui tardíssimo!).
Mas obrigada! Amanhã entro de férias e as três garrafas vão-me saber muito bem. Já o bacalhau e o queijo... não prometo arriscar a minha vida.
Só para registo: hoje saio às 20h.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Captei.

Os gajos são como as bebedeiras. De vez em quando, sabe bem. Todos os dias, é demais.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

T2 para um e meio: Mãe morde a língua

Eu comecei por me queixar das horas a que me levantava, das viagens e de toda a logística da coisa. E agora já não sei viver sem os treinos e os jogos de futsal. Pena é que tenha colocado em risco a sua inscrição no próximo ano, usando-a como moeda de troca para melhoria das notas. E fico à espera que o castigo não venha. Porque se vier, vem para os dois.

(E depois vejo o meu guarda-redes a marcar um golo, a celebração efusiva de toda a equipa e o sorriso alargado que o treinador me dá e fico ainda mais apanhada por isto. Orgulho.)

Mas as notas... ai que raio de preguiça, a do rapaz!

terça-feira, 17 de abril de 2012

Juro que tanto trabalho é para me pirar (daqui).

A atingir o limite do sustentável, faço contagem decrescente para as férias que se avizinham e prevêm... a trabalhar. Tão bom ser eu. Já vos disse que odeio planos? Odeio planos. O melhor do mundo é viver de improviso.

domingo, 15 de abril de 2012

Coisas nas quais o tablet não é divinal

Fazer hiperligações.
Agora sim, cliquem lá no post mais abaixo.

Scialla! Já não falta muito.


Cliquem na hiperligação e entrem no espírito. De salientar que este é o primeiro filme de Francesco Bruni. E isto não foi um reparo depreciativo, antes pelo contrário. Promete. Promete mesmo.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Sugestão cultural #13: Da non perdere

Rehab needed

Esta minha paixão pelo peppermint vai desgraçar-me este Verão. Já tenho mil e quinhentas coisas em vista. Vestidos, vestidinhos, vestiditos, vestidotes. E bem curtinhos, que a perna no calor quer-se à mostra (e tenho uma tatuagem nova colecção).

terça-feira, 10 de abril de 2012

Oui. Oui. Quelqu'un M'a Dit.

Coisas das quais já não me livro

Gostar de ter uma cama de casal inteirinha, só para mim.
Dividir o espaço provoca-me uma valente dor de costas.

Long live the king (size bed)!

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Pura perfeição

Aqui

As coisas que eu sei...

...e não posso dizer fazem-me sempre dar uns sorrisinhos bons. Malandros.

Compensações

Três dias fugida do Mundo e hoje custou «só» um bocadinho mais. Pelo menos há sol e eu já vi o mar.

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Gosto de mim. So what?

Fizeram-me um inquérito sobre auto-estima, e num grupo, fui a única pessoa a admitir que se acha gira. E eu acho estranho. Será que é tabu?
Honestamente, olho-me ao espelho e sei que nunca serei tão gira, jeitosa e mentalmente harmoniosa. Perdoem-me a vaidade, mas eu nem sempre voltei cabeças a passar. Talvez por isso, talvez porque sou mesmo gira, gosto imenso de mim. E admito. Tenho dito.

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Post com elevada probabilidade de provocar insónias à minha mãe.

Estou com muita vontade de fazer outra tatuagem. E até já sei o que vai ser.

domingo, 1 de abril de 2012

T2 para um e meio: Às vezes é difícil


O Um achou que a melhor maneira de dar as boas vindas ao avô, que foi passar uma temporada ao hospital e veio passar o fim-de-semana a casa, era escrever o nome dele, em grande, na parede do quarto.
E pronto. Não se se ralhe pela má acção, ou se perdoe a boa intenção.
Enquanto não decido, finjo que ainda não sei que o meu pai, neste momento, tem um quarto que o faz parecer altamente narcisita.

Por todas as razões e mais alguma

Aos olhos de muitos, tenho um problema. Prezo muito a amizade pós-relação, e das poucas vezes que não consegui manter uma cumplicidade especial com alguém com que estive, senti-me mais amargurada do que um limão gigante.
Talvez por isso, talvez porque a música e o vídeo são lindos, estou completamente viciada nisto. Detesto que me tornem em «somebody that I used to know». O amor é lindo, e a cumplicidade pode ser eterna.

But you didn't have to cut me off
Make out like it never happened and that we were nothing
And I don't even need your love
But you treat me like a stranger and that feels so rough


No you didn't have to stoop so low
Have your friends, collect your records and then change your number.
I guess that I don't need that though
now you're just somebody that I used to know