segunda-feira, 30 de maio de 2011

(É segredo)

Um dia capturei os nossos sorrisos na luz, e fiquei abismada com o resultado. Estava longe de saber como combinam as nossas bocas. À distância, apetece-me dizer-to. Mas a pouca sensatez diz-me que faz sentido resistir-te. Não te conto, é segredo, como às vezes é difícil. Se te aproximas pelas costas, me afastas o cabelo e me cheiras o pescoço, é difícil. Se me pousas as mãos nos quadris, é difícil. Se me sussuras suspiros na boca, é difícil. Se, por fim, me abraças e deixas repousar em ti a mente irrequieta, fica impossível. Quero gritar «arrebenta a bolha».
- «Arrebenta a bolha!», mas o som não sai quando os meus dentes se empenham a cerrarem os meus lábios. Tivesses tu os olhos abertos e verias (ai!) como eles aspiram que a minha boca seja a tua. Trincar-te era tudo quanto bastava para que hoje não me faltasse o sono. Mas quis a história suspender-se assim. Até que o desejo nunca mais nos separe.

2 comentários:

AP disse...

ADOREIIIIII. Apetece mais, mais!
Muitos beijinhos :)

Paloma disse...

apetece-te a ti e a mim! LOOOOOOOOOL