sábado, 4 de julho de 2009

A prematuridade, entre a vida e a morte

Esta semana morreu alguém que, em tempos, foi das minhas relações. Era uma pessoa má, ou que pelo menos escolheu maus caminhos para viver a sua vida. Morreu prematuramente, no exercício da sua maldade. E eu? Não sei bem porquê, tenho pena.
Mas como a vida se baseia na lei das compensações, veio logo a seguir um petiz, que será bom e brilhante, estou esperançada. Nasceu prematuramente, pesa pouco mais do que um pacote de arroz, mas fará muitos felizes. Bem-vindo Ruizinho. Sê forte. Muiiito forte!

1 comentário:

Ana Patrícia disse...

Sabes que podes contar cmg para o que precisares.
Beijinhos