segunda-feira, 28 de março de 2011

Lá vou eu trabalhar...

Diz que tem de ser.
Isto de folgar à segunda de manhã... não sei não.

PS - A imagem é só para aparvar.

sábado, 26 de março de 2011

Hoje avança a hora...

... o que significa que o tempo está do nosso lado.

Deixa-me escrever o que não te sei dizer.

Gosto desse jeitinho que tens de me deixar a cara a arder de vergonha. E que, mesmo assim, ruborizada e esquiva às tuas questões, me obrigues a responder:
- Adoras-me? Tu adoras-me?
Eu sussuro, desejosa de to gritar: adoro-te. Eu adoro-te!
Não o vês espalhado por todo o meu corpo, nas minhas acções? Se me chego a ti, a uma mão de me agarrares. Se não te digo adeus, mesmo quando ficamos em silêncio na linha. Se te peço para me deixares provar do teu prato só para que as nossas salivas se voltem a misturar. Se fico ansiosa para que me ofereças o peito, e me deixes descansar em ti, no teu cheiro misturado com o meu. Se fico quieta, a escutar-te a emoção que me confessas sentir nos sons, nas imagens. E se, como se não bastasse, me pareces a melhor obra da natureza. Deste tempo. De todos os tempos. Do mundo inteiro. Não o vês?
Eu sei que às vezes fujo de ti (e tu não deixas). Mas é exactamente por isto que, às vezes, fujo de ti. Não me deixes.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Olha uma coisa...



(Às vezes baixo a guarda)

quinta-feira, 24 de março de 2011



Let's hold hands
Like a young romance
Let's first kiss like the moment we first did
Can we make love
Like way back in the day
We can lose control, baby don't say no

terça-feira, 22 de março de 2011

Fico chateada, é claro que fico chateada!

Há tanta coisa que me ultrapassa... mas assim a velocidades vertiginosas.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Dou por mim a ler o horóscopo vezes sem conta, na esperança que os meus dias continuem como têm sido: bons demais.

sábado, 19 de março de 2011

I'm okay, I'm alright



I got good fellings on my mind

sexta-feira, 18 de março de 2011

Hoje apetece-me dizer que te adoro*

Os dias de sol deixam-me com saudades tuas. As sextas-feiras deixam-me com saudades tuas. Jonh Mayer na rádio deixa-me com saudades tuas. Noites de lua cheia deixam-me com saudades tuas. A Primavera deixa-me com saudades tuas. Dançar deixa-me com saudades tuas. Rir deixa-me com saudades tuas. Viver. Viver deixa-me com saudades tuas.

*e não posso.

segunda-feira, 14 de março de 2011

Raios, que ela é mesmo calona.

Serei a única pessoa que não vai a correr abastecer o carrinho e ainda torce para que a gasolina se acabe nos postos de abastecimento da minha área? É que não ter combustível parece-me uma desculpa tãooo boa para não ir trabalhar.

Ou estou a pensar mal?

Will you?

sábado, 12 de março de 2011

160 caracteres#2: Tu queres ver...

Eu - Fui dar uma consulta. Chego a casa o meu filho está com os meus saltos altos. A pergunta para 20 mil euros é: devo preocupar-me?
Ela - Ainda tenho a ajuda dos 50 50?
Eu - Sem ajudas. E não me podes falhar numa pergunta tão séria.
Ela - Não miúda, não te preocupes, são cenas de gajos. Por isso é que adoram se mascarar de mulher no carnaval.
Eu - Uffa!
Ela - Tranquila miúda. O teu filho gosta de mim e eu sou gaja.
Eu - Fico chateada. Não é se ele gostar de homens. É se me pedir roupa emprestada.
Ela - Sim, isso é que não!
A minha boca tem memória curta. Beija-me outra vez. 

quinta-feira, 10 de março de 2011

Há coisas demasiado parvas.

Um rapaz bonito que já não respira. E o sorriso dele que não me sai da ideia.

quarta-feira, 9 de março de 2011

Sei que a vida às vezes é tramada...

... mas quando estiveres a cismar nisso, pensa no dia de hoje. A vida não é trabalho, são relações. A vida não são más relações, são amizades. A vida é o que foi hoje. Um reencontro. Mais um reencontro. E a espera pelo próximo reencontro. Um abraço inesperado, muitos abraços inesperados, horas que se desfiam sem darmos por isso, conversa que nos dá para uma vida. Gente que nos espera, e não nos importa. Trabalho que fica por fazer, e não nos importa. Porque ali, o que nos dá, é o bem que nos sabe o reencontro. O bom que é olhar para ti e ver-nos na mesma: a mesma alegria, o mesmo à-vontade para te dizer o que por este coração tolo se vai passando, a mesma sede de saber de ti, de vocês. E, sobretudo, as mesmas gargalhadas. Desde sempre, e não duvido que para sempre, as mesmas gargalhadas!
É por momentos destes, ainda que não aconteçam sempre, que me levanto todos os dias. Por isso, quando a vida for tramada, e não te deixar dormir, sai à rua com a mesma energia. A pensar que qualquer dia, é outra vez este dia.

terça-feira, 8 de março de 2011

A verdade é esta:

Eu não gosto do Carnaval, mas todas as desculpas são boas para ter uns dias de tamanha folia! Agora, é recuperar dos danos.

quinta-feira, 3 de março de 2011

E a Adele canta por mim.



Que já se me esgotaram as forças.
Era isto que eu queria dizer e não consigo por mim.

The scars of your love remind me of us,
They keep me thinking that we almost had it all,
The scars of your love, they leave me breathless,
I can't help feeling,

We could have had it all,
Rolling in the deep,
You had my heart inside of your hands,
And you played it to the beat,

A Nelly resolve.



Estava a precisar de choramingar. Uma lágrima só. São muitas memórias.

É qualquer coisa do género.



Falta-me jeito para me exprimir, está tudo engatado no peito.

Ando desaparecida, eu sei.

Sei eu. Sabem vocês. Sabe o meu gato. E sabe o meu vizinho do lado:

- Oh, Vizinha, até que enfim que a apanho.

Raispartam as minhas novas funções de administradora da chafarica. Olha agora, hein!? Odeio controles.