domingo, 13 de dezembro de 2009

T2 para um e meio: Natal dos hospitais

Ao fim de um tempo, convenço-me que tem de ser. Há que cumprir com as tradições, a bem do espírito natalício do rapaz. Hoje, construímos a árvore!
Começamos entusiasmados. Vamos ao armário, tiramos as três partes do pinheiro, as decorações e dirigimo-nos ao canto que sempre foi da árvore. Junto à janela.
Quando começamos a montá-la, damo-nos conta de uma baixa: a parte do meio do pinheiro não encaixa nas outras. Vamos à caixa das ferramentas, tentamos com o martelo, com uma lima, e nada. A árvore não colabora.
Penso. Qual seria o exemplo se desistíssemos do pinheiro só porque é deficiente? Isso mesmo: mau. Aos oito anos, absorve-se tudo, e rejeitar um pinheiro deficiente seria trágico para a cidadania futura do Um. Resumindo...
Este Natal, tenho um pinheiro amputado. Uma espécie de arbusto de Natal. Mas, por isso, rimos muito enquanto fizémos a árvore.
- «Temos um pinheiro anão», grita pela casa. «Temos um pinheiro deficiente», continua. «Temos um pinheiro esquisito».
E, de seguida, garante:
«É o pinheiro mais giro de todo o mundo!!!»
Missão cumprida. Nesta casa, não há preconceitos! No Natal, nem nunca.

3 comentários:

Ela adormecida disse...

ahahahah!! ADORO!! :D

Ana Patrícia disse...

LINDOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!!
Muitos beijinhos para os dois :) :)

tania disse...

...e pensava eu outro dia...porque será que não se começam a fazer arbustos de Natal ...é que já ninguém pode com o formato árvorezinha :)
Tenho a certeza absoluta que é o arbusto de Natal mais lindo da galáxia, até porque deve ser o único, e se não for o único, deve ser dos poucos...10 pontos pela originalidade!