quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Vivendo...

... e aprendendo.
Hoje sei que te podes arrepender dos actos que fazes com a melhor das intenções. E que esse arrependimento não te mata, como o outro, mas mói. E dói. E que não se suja de vergonha, mas lava-se com lágrimas. E dói mais ainda. Porque se paga igual. Com o corpo. Com a alma. Com o troco em raiva, em ódio, em ganas de mudar o que fizeste por bem. É tão absurdo, isso, de quereres mudar o que fizeste por bem...

Vou ficar 30 dias sem poder conduzir. Eu que faço dois mil quilómetros por mês para me sustentar. Ou em troca, umas horas na Prevenção Rodoviária Portuguesa a ouvir lições de moral sobre o condução sobre o efeito do álcool. Eu que só quero passar o meu pouco tempo livre com quem me importa.  

Em última defesa, eu, que não ia a conduzir.

Alguém me corta os pulsos, por favor? É que até para isso estou sem forças. E enquanto o fazem, chamem-me otária. Muitas vezes. Mas com meiguice. Estou a precisar de mimo.

(Bem diz o Um: É crime e castigo.)

2 comentários:

AP disse...

Pelo sentimento, seja ele amor ou amizade, às vezes uma pessoa assume a culpa dos outros, o que nem sempre é vantajoso. É um belo acto,sem dúvida, em especial se o outro assim o merecer, mas o problema é que há sempre algo a chatear...

No teu caso nem a opção dos 30 dias sem conduzir, nem a das lições de moral, é simpatica. A primeira porque envolve o teu trabalho/sustento. E a segunda porque estarás a apanhar uma seca, a dedicar o teu tempo, a levares um "raspanete" por algo que não fizeste.

Não, não é justo. Mas também não és otária!!
És, simplesmente, alguém que teve um belo gesto de amor/amizade, não olhando às consequências(ao lado racional) entregando-se, completamente ao lado emocional.
Fizeste as coisas com coração. Da tua parte agiste de acordo com o que sentias, com o que achaste correcto. Não merecias castigo mas sim mimo!! Tal como gratidão. E outras coisas mais.

Paloma disse...

Emocionaste me. Beijinho